Telemedicina

Unidade Curricular 8 (Sistema Digestório/ Nutricional) do novo currículo integrou o ensino teórico com a transmissão de uma autópsia, em tempo real, estruturas anatômicas impressas em 3D, Projeto Homem Virtual e plataforma digital

A Faculdade de Medicina (FM) e o Instituto de Ciências Biomédicas (ICB), ambos da Universidade de São Paulo, uniram-se para oferecer aos estudantes do 1º ano de Medicina uma aula de anatomia mais dinâmica, interativa e com evidente aplicação clínica. No dia 30 de novembro, a Disciplina de Anatomia do Sistema Digestório do ICB incluiu, em suas atividades na Unidade Curricular (UC) 8, uma videoconferência com o Serviço de Verificação de Óbitos da Capital (SVOC), localizado na FMUSP, durante a qual foi realizada uma demonstração prática de anatomia topográfica e espacial dos órgãos do abdômen e das vias de acesso para cirurgia de apendicite.

A videoconferência foi viabilizada pela Disciplina de Telemedicina (DTM) do Departamento de Patologia da FMUSP, que contribuiu com outros recursos para a contextualização das aulas: vídeos do Projeto Homem Virtual (anatomia retratada por meio da computação gráfica tridimensional) e estruturas em resina e plástico criadas por impressoras 3D, representando os órgãos a serem estudados. A DTM também é responsável pela plataforma MedUSP Digital, com a qual os alunos da UC 8 podem acessar, pela Internet, apresentações, roteiros de estudo e vídeos sobre o sistema digestório e a biologia celular, além de terem disponíveis ferramentas para o ensino integrado e participativo, como votador de perguntas recorrentes, fórum de debates e salas digitais para web conferência.

O ensino integralizado faz parte do novo currículo da FMUSP, que trabalha com Unidades Curriculares (UC), reunindo as disciplinas relacionadas. E a contextualização é resultado do projeto Laboratório de Aprendizagem de Anatomia Integrada à Clínica (LAAIC), desenvolvido pelo Departamento de Anatomia do ICB, em conjunto com a DTM/FMUSP, e aprovado pelo Pró-Inovalab 2011 (Programa Pró-Inovação no Ensino Prático de Graduação) da Pró-reitoria de graduação da USP, o qual financia a criação e manutenção de laboratórios que consolidem o conhecimento teórico aprendido na sala de aula e que produzam novos conhecimentos. A infraestrutura necessária para a videoconferência foi custeada pelo programa.

Motivação

A demonstração, em tempo real, da anatomia, com uma abordagem prática, não só proporcionou um aprendizado global como motivou os alunos do primeiro ano de Medicina da USP.  “À medida que o aluno percebe a utilidade do conhecimento na sua atividade profissional, ele se interessa mais e, inclusive, quer se aprofundar no assunto. Quando a perspectiva não é tão imediata, a atenção é menor e a assimilação do tema é menos eficiente”, explica o professor Francisco Collet, cirurgião do Hospital das Clínicas da FMUSP, que fez a autópsia transmitida aos graduandos.

Segundo o professor Collet, é de grande importância para o estudante de Medicina observar a aplicação da anatomia na execução dos procedimentos médicos. Quando ele tem ciência dos pontos anatômicos corretos e das estruturas adjacentes, há diminuição da incidência de acidentes. O estudante fica mais atento para as complicações, assim como ao seu diagnóstico e tratamento. “Durante o estágio na Cirurgia do Pronto-socorro do Hospital das Clínicas da FMUSP, dou esse tipo de orientação aos alunos do sexto ano. Eles costumam ser participativos e perguntam o porquê de não haver demonstrações assim em anos anteriores”, afirma.

a professora Patricia Castelucci, do Laboratório de Neurogastroenterologia do ICB, considerou um sucesso a primeira videoconferência com o Serviço de Verificação de Óbitos da Capital. “Os alunos adoraram!  Foi uma complementação para a aprendizagem da anatomia do sistema digestório e um meio de integração entre a Faculdade de Medicina da USP e o Instituto de Ciências Biomédicas”, comemora a professora, que coordena a Disciplina de Anatomia do Sistema Digestório.

Estruturas impressas em 3D: integração ao contexto clínico

Após a videoconferência, os graduandos puderam visualizar os detalhes anatômicos estudados na teoria e na prática, por meio dos órgãos produzidos com impressoras 3D. “Ao manipular e checar a estruturação e vias de acesso, os alunos recebem um reforço do aprendizado obtido com a autópsia, assimilando ainda mais o contexto clínico-cirúrgico”, analisa o professor Chao Lung Wen, chefe da Disciplina de Telemedicina da FMUSP e idealizador do Homem Virtual, cujos arquivos digitais dão origem aos órgãos impressos em 3D.

O aprendizado também foi potencializado com a utilização da plataforma MedUSP Digital. O material disponibilizado aos alunos permite revisão dos conceitos aprendidos em sala de aula e preparação para as aulas práticas. De acordo com o professor Chao, as aulas contextualizadas são um marco da integração entre a FMUSP e o ICB. “Fico muito contente que os alunos tenham gostado da experiência de imersão prática logo no início do aprendizado de Medicina”, conclui.