Disciplina de Telemedicina da FMUSP está em sincronia com diretrizes do MEC para graduação em Medicina

Cursos de graduação e pós-graduação da disciplina, bem como seu projeto Inovalab em Saúde, desenvolvem conceitos citados por resolução do Ministério da Educação

A Disciplina de Telemedicina (DTM) do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina (FM) da USP oferece o curso de graduação “Telemedicina e Jovem Doutor”, cujos princípios estão em sincronia com as Diretrizes Curriculares Nacionais da graduação em Medicina, divulgadas pelo Ministério da Educação. O curso foi adotado por uma instituição de ensino superior brasileira como matéria obrigatória para os futuros médicos.

Tanto o curso oferecido pela DTM quanto o seu projeto “Inovalab em Saúde” representam um esforço para melhorar a qualidade da formação dos graduandos em Medicina em todo o país.  São compostos por conceitos e ferramentas que colaboram para suprir as necessidades apontadas pelo Ministério da Educação, referentes à adoção de novos métodos educacionais e do uso de tecnologias interativas, como a Telemedicina.

Segundo uma resolução do Conselho Nacional de Educação do MEC, a formação do graduando em Medicina deve se desdobrar nas áreas de Atenção à Saúde, Gestão em Saúde e Educação em Saúde. De acordo com o documento, o aluno deve objetivar “aprender a aprender, como parte do processo de ensino-aprendizagem, identificando conhecimentos prévios, desenvolvendo a curiosidade e formulando questões para a busca de respostas cientificamente consolidadas” (artigo 7, item I).

Em relação à gestão em saúde, a resolução ressalta a importância da graduação para ensinar a “tomada de decisões, com base na análise crítica e contextualizada das evidências científicas, da escuta ativa das pessoas, famílias, grupos e comunidades, das políticas públicas sociais e de saúde, de modo a racionalizar e otimizar a aplicação de conhecimentos” (artigo 6, item III). Também destaca a importância da comunicação, “incorporando, sempre que possível, as novas tecnologias da informação e comunicação (TICs), para interação a distância e acesso a bases remotas de dados” (artigo 6, item IV).

Estes preceitos fazem parte, há anos, dos ensinamentos da DTM/FMUSP. “Todos os cursos de Medicina deveriam estimular a aprendizagem dos alunos em Telemedicina, preparando para o cenário de 2020”, reflete o professor Chao Lung Wen, chefe da Disciplina. Segundo ele, os novos profissionais devem saber: usar inteligentemente os conhecimentos e tecnologias para servir a propósitos humanos, lidar com situações críticas, tomar decisões, localizar informações atualizadas e interpretá-las corretamente, trabalhar em equipe, desenvolver inteligência multiangular e envolver-se com os problemas sociais.  “Valorizamos os graduandos, de tal forma que oferecemos para a graduação os mesmos recursos tecnológicos e conceitos empregados em nosso Curso de Pós-graduação, com adaptações”.

Comentários encerrados.